Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, São Paulo, Brazil
BIOMEDICA ACUPUNTURISTA. Biomédica pela UMC 1987. Lato Sensu em Medicina Tradicional Chinesa e Acupuntura - ETOSP. Especializações: Saúde Pública - São Camilo e Medicina Tradicional Chinesa e Acupuntura - ETOSP. Experiências: Análises Clínicas, aulas no curso técnico de Patologia Clínica (Hematologia, Parasitologia, Imunologia, Microbiologia, Fundamentos da Patologia, Biologia, Programas de Saúde, Anatomia e Fisiologia Humanas). Assessora Científica. Artigos no Jornal Centro em Foco (http://www.jornalcentroemfoco.com.br/vivasaude.html). Redação da coluna “Dicas de Saúde” para o jornal norte americano “BR POINT”. Palestras sobre temas de saúde e Acupuntura. Atualmente atuo como BIOMÉDICA ACUPUNTURISTA em consultório particular onde viso o tratamento do individuo integralmente. Utilizo acupuntura sistêmica, LASER-acupuntura, moxa, eletro-acupuntura, ventosa e florais. Sou Professora de Micro e Imunologia no curso técnico em Massoterapia e do curso Lato Sensu de Acupuntura e MTC da ETOSP. Coordenadora do ambulatório de LASER ACUPUNTURA da ETOSP - Escola de terapias Orientais de SP

sábado, 29 de maio de 2010

Aprendendo a respeitar limites - Um caso clínico

Aprendendo a respeitar limites

Trazida pela filha, a senhora de olhar amedrontado relata as tantas dores articulares que “pesam” em suas juntas.
Articulações inchadas, dores fixas e intensas. Sim, piores no inverno. E como ela tinha medo do frio!
Já teve nefrite algumas vezes... Três, se bem ela se recorda. Ah, e um medo do futuro que lhe incomodava muito.
O medo é a emoção que evidencia o desequilíbrio dos rins... Que governam os ossos, segundo a Medicina Tradicional Chinesa.

Uma historia de vida sofrida. Veio jovem para São Paulo e lutou muito para criar seus sete filhos. Preocupava-se muito em dar a eles uma vida digna. E como se preocupava!
Com tanta preocupação, seu Baço tinha dificuldade em eliminar as “mucosidades” dela resultantes... Sim! Pensar demais gera mucosidade interna, que “pesa” e, nas articulações, causa dores.

Para “dar conta do recado”, optou por uma jornada de trabalho excessiva, em torno de 14 a 16 horas por dia. Costurava em máquina e manualmente todo este tempo... E, como relata, com o encarregado “de olho” para que as costureiras não cochilassem em serviço.
Quando chegava à sua casa, jantar por fazer, roupas para lavar (manualmente!) e a casa toda por limpar. Relata que sentia profunda tristeza com o cansaço, tinha vontade de se jogar no chão mesmo e dormir “um pouquinho só”...
O excesso de trabalho esgota as energias vitais, consome a energia ancestral (jing).

O tempo foi passando e os filhos crescendo... Parecia que tanto sofrer estava por terminar.
Mas o que ela não esperava era que seu corpo gritasse e se rebelasse por tamanha exaustão. Seus limites foram desde sempre desrespeitados, suas necessidades, ignoradas.
Seu corpo protestou e obrigou-a a respeitá-lo, ainda que contra a vontade dela.
Como ele fez isso? Travando e endurecendo as articulações. Sim, ela foi obrigada a diminuir seu ritmo. A principio, insistia em manter tantos afazeres, mesmo sabendo que as dores iriam piorar. E como chorava ao relatar sua sofrida história de vida...


O TRATAMENTO

A primeira e mais importante recomendação foi “AMAR-SE EM PRIMEIRO LUGAR”.
Claro que ela achou isso muito estranho, pois me procurou para que eu lhe aplicasse agulhas e tirasse sua dor, e eu, antes disso, lhe recomendo amor próprio? Para que?

Conversamos sobre os excessos e sobrecargas físicas e emocionais como desencadeadores de desequilíbrios energéticos que geram dor.

Quando ela entendeu o processo, chorou muito mais... Que bom! Começamos a eliminar as mágoas, ou melhor, “más-águas”... Água ruim, água parada que só serve mesmo é para causar desequilíbrio.

Iniciamos o tratamento com florais, as essências energéticas de flores que re-equilibram as emoções. A princípio, rescue, para depois entrarmos com florais mais específicos para suas emoções.

Quanto à alimentação, solicitamos que evitasse os leite e os derivados, pois são perversos causadores de mucosidades... Ah, estas mucosidades!
Outras alterações alimentares visando o reequilibrio energético do organismo também foram aconselhadas (levando-se em conta o aspecto energético dos alimentos de acordo com a visão da Medicina Tradicional Chinesa - MTC).

Ah, “colocamos” as agulhas também... Em pontos para secar as mucosidades, aquecer o frio, fortalecer rim e baço, harmonizar o fígado, tonificar o xue (sangue energético)... Restabelecendo a correta circulação energética nos meridianos e eliminando as “energias perversas”.

O tratamento consistiu em acupuntura sistêmica com agulhas, laserpuntura em pontos de dor, essências florais, orientação alimentar (aspecto energético, segundo a MTC), alguns livros que pedi que ela lê-se (Roberto Shinyashiki, Louise Ray e Augusto Curi, entre outros) e um bate-papo onde ela entendeu os mecanismos de instalação desta síndrome energética dolorosa em seu organismo.

Após dez semanas, ela já sorria ao invés de chorar...

Mais algumas semanas, já estava de malas prontas para uma viagem a Porto Seguro, pois ela “precisava” passear!

Tratamos sim, com agulhas, mas fomos além da “ponta do iceberg”, buscamos as raízes do problema.

Ela passou a respeitar seus limites, melhorou muito a alimentação, eliminou perversidades que desencadeavam dores (tomar friagem, ingerir leite, “engolir sapos”...).

As sessões estão bem mais espaçadas, na manutenção do tratamento.

Outro dia, a filha dela me telefonou, relatando que a mãe está outra. Conta que, quando questionou a mãe sobre suas mudanças de atitude, ela respondeu:
“A Vera falou que eu tenho que ser feliz! E eu gostei! Mereço ser feliz e agora me cuido!”

Que bom!!!

27 de maio de 2010.

3 comentários:

  1. Linda hitória!
    Temos que aprender a viver...deixar de sobreviver...

    ResponderExcluir
  2. Ótimo ver nossos clientes melhores...
    O bom foi que ela seguiu a risca seu conselho... tem uns que não são tão obedientes assim hehe.. quer ficar daquele jeito e não tenta mudar por nada!... Aí não há tratamento ou até mesmo cirurgia pra resolver o problema.
    Adorei seu blog! Com certeza serei uma seguidora de carteirinha..

    ResponderExcluir
  3. Ola Dra Vera! Sou biomédica, tenho 23 anos e estou terminando o meu mestrado em Oncologia no AC Camargo. Estava pretendendo mudar de área de atuação para acupuntura, que foi uma área que sempre me chamou a atenção! Lendo seu blog, me deu mais inspiração para ter certeza de que quero trabalhar com isso e que é esse o caminho que devo seguir! Obrigada por compartilhar suas histórias!
    Daiana

    ResponderExcluir